Acredite ou não, mas para muitas famílias no Brasil o assunto valuation, especificamente a avaliação econômico-financeira de empresas familiares pode ser um tanto quanto polêmico. Afirmamos isso pois em alguns casos a gestão do negócio não é profissional ou o patrimônio da família está amplamente misturado com o da empresa e, por causa disso, trazer o assunto à tona pode ser desconfortável.

No entanto, há várias situações em que a estimativa de valor da empresa se faz necessária: seja para atrair investidores, facilitar a solicitação de empréstimos, entrada e saída de membros da família do quadro social ou até mesmo quando o sócio fundador deseja se aposentar e realizar a passagem do bastão (ou até mesmo a venda do negócio para um terceiro) … cada um desses eventos exige avaliações assertivas sobre o valor real da empresa naquele momento pontual.

Talvez você até já tenha se perguntado sobre o valor que a sua empresa ou marca familiar tem para você.  E, aqui não estamos falando apenas sobre o porte da empresa ou sua lucratividade apenas. Tampouco do valor no aspecto sentimental (o apreço). Na verdade, estamos falando sobre quanto a sua empresa vale, em dinheiro, em eventuais situações como:

  • Venda da sua empresa;
  • Venda da sua parte na sociedade (cotas sociais);
  • Quanto vale seu negócio na hora de atrair investidores;
  • Aposentadoria e/ou passagem do bastão;
  • Divórcio e disputas legais;
  • Fusões e aquisições;
  • Ingresso ou saída de sócios;
  • Outros motivos.

Porém, aqui é preciso ter muito cuidado com o lado emocional. É natural que uma empresa passada de geração em geração de uma família possa apresentar um valor altíssimo para você. Mas, e para um eventual comprador de fora?

A avaliação de uma empresa familiar deve ser realizada de maneira imparcial por profissional da área de valuation, com métodos específicos que levam em conta fatores como: lucratividade, tradição, faturamento, competência da gestão entre outros, independentemente se ela é administrada por membros de uma família ou está no mercado há mais de um século.

Então, aqui, as emoções ficam um pouco de lado. Para avaliar uma empresa familiar é preciso objetividade técnica para garantir informações precisas, e que em hipótese alguma sejam confundidas ou confrontadas com vínculos afetivos.

E é sobre isso que falaremos neste artigo. Boa leitura!

Qual a importância de avaliar uma empresa familiar?

De uma forma bastante resumida, o valor de uma empresa é acessado através de um processo conhecido como valuation e este está baseado na capacidade que a empresa tem de gerar caixa agora e no futuro (rentabilidade futura).

Isso significa que mesmo que ela seja uma empresa de tradição e com uma história respeitada no seu mercado de atuação, o que impactará em seu valor é a sua receita, seu lucro e os planos para o futuro do negócio, por exemplo: expansão, abrir novas unidades, lançar novos serviços/produtos, reduzir custos, contratar novos funcionários, alterar preços etc.

E por isso avaliar uma empresa familiar é extremamente importante e necessário: é a análise de todas essas informações como oportunidade de reportar sobre sua solidez e saúde financeira, apontando, inclusive, pontos a melhorar que devem ser priorizados. Ou seja: serve também como um diagnóstico de gestão. Além do conhecimento do quanto seu negócio poderia valer (em termos de preço) numa eventual venda, é claro.

Outro ponto importante: quando sua empresa estiver na mira de alguém que queira comprá-la, você poderá vender sua empresa por um valor muito abaixo do que realmente vale, apenas pelo fato de não ter contratado um especialista em valuation.

Em que momentos realizar o valuation de uma empresa familiar é necessário?


Em diversas situações, como venda da empresa, entrada e saída de sócios, aposentadoria ou até mesmo atrair investidores, o processo de avaliar uma empresa familiar é altamente recomendado (e necessário). Afinal, como esperar receber o valor justo pelo seu maior ativo ou aumentar o capital social sem sequer saber quanto vale, efetivamente, o seu negócio?

Para entender mais sobre isso, vamos explicar a seguir quais são os momentos que saber o valor da empresa familiar é um fator determinante para o êxito nos negócios.

Valuation: Fatores levados em consideração
Alguns dos fatores levados em consideração durante o processo de valuation.

Atrair Investidores

Conquistar sócios e investidores para um negócio é uma tarefa desafiadora e que requer muito foco e esforço. Ao ter o valor da empresa definido, é possível fazer propostas aos investidores e tornar a negociação mais competitiva. Lembre-se: investidores monitoram o mercado permanentemente para avaliar a oferta de investimento mais vantajosa para eles.

Mas, se você não tiver um valor definido, será pouco provável que você consiga expandir o seu negócio a partir de rodadas de financiamento. Dito isso, possuir um laudo técnico em mãos será a única arma capaz de demonstrar para o investidor e tentar convencê-lo que sua empresa vale mais do que ele está oferecendo.

E não esqueça: investidores e compradores irão comprar sua empresa sempre por um valor menor do que ela realmente vale e isso é algo natural na vida dos negócios. Cabe a você, empresário, realizar a avaliação da sua empresa de forma independente para não sair no prejuízo.

Solicitação de empréstimos

Ao solicitar empréstimos, tanto pessoas físicas quanto jurídicas, as instituições financeiras realizam uma análise profunda sobre o histórico da sua vida financeira. Ou seja, se o solicitante é um bom pagador, qual a saúde do seu relacionamento com o mercado, quais são os financiamentos que o solicitante já possui, quais passivos estão mais expostos a riscos etc.

Nessa situação, portanto, apresentar o laudo técnico emitido por especialista será mais um aliado na hora de facilitar a solicitação de empréstimo para a sua empresa.

Entrada e saída de sócios

Para negociações justas e corretas, em entradas e saídas de sócios da empresa, é necessário saber o valor da empresa.

Ao não ter essa avaliação, imagine ter que definir, às pressas, um valor para realizar a venda de parte sociedade (cotas sociais) sem ao menos conhecer o valor real da empresa. A chance de ignorar o real valor do negócio será enorme.

Uma das partes poderá sair prejudicada.

Diagnóstico financeiro da empresa

Realizar um diagnóstico financeiro da empresa com uma avaliação do seu valor de mercado atualizado é uma ferramenta de gestão muito poderosa. Principalmente porque será possível identificar pontos de melhoria, excesso ou ausência de investimentos que poderiam impactar o valor do negócio (positiva ou negativamente).

Com esses indicadores, é possível revisar o plano de negócio, atualizar as estratégias e corrigir o que for necessário, além de subsidiar o estabelecimento das metas da empresa.

Venda da empresa

Numa situação de compra e venda de qualquer empresa, seja familiar ou não, conhecer o seu real valor é fundamental para evitar que os compradores subestimem a solidez do negócio e, da mesma forma, evitar que proprietários superestimem o seu valor, gerando assim negociações injustas e fora da realidade.

Além disso, com uma avaliação de valor atualizada, as negociações serão transparentes e o laudo técnico terá um papel fundamental para evitar que nenhuma das partes saia lesada na negociação.

Quais fatores fazem uma empresa familiar valer menos no mercado?

Para se valorar um negócio, projeções como receitas, despesas, endividamento e investimentos devem ser levados em conta. O que pode contribuir para que a empresa valha mais (ou menos) é como a gestão se comporta diante desses movimentos e/ou indicadores.

Principalmente em empresas familiares, algumas ações tendem a ser, aparentemente, mais flexíveis, como retiradas de dinheiro pelos sócios, por exemplo.

A seguir, veja outras práticas que podem impactar negativamente no valor da sua empresa.

Gestão ineficiente

Administrar uma empresa é um desafio que requer formação, conhecimento e habilidade. É muito comum a sucessão de empresas familiares ocorrer de pais para filhos, de tios para sobrinhos etc.

Porém, em alguns casos os novos gestores sequer receberam capacitação ou formação acadêmica para isso, e tampouco foram provocados à preparação. E esse movimento (ou falta dele) tende a resultar em falta de planejamento, lideranças negativas, funcionários insatisfeitos, baixa produtividade e péssima comunicação.

Confusão patrimonial

Quando os negócios dos sócios se confundem com os da empresa, ocorre a tão prejudicial confusão patrimonial. Em alguns casos a empresa pode funcionar como um mecanismo a serviço dos interesses particulares dos donos.

Uma exposição diante da justiça poderá comprometer negativamente o valor da empresa e isso deverá ser levado em consideração na hora de realizar o valuation.

Venda por fora (Sem Nota Fiscal)

Outra prática que que pode impactar o processo de valuation são as “vendas por fora”. Ou seja, quando as mercadorias ou serviços não passam pelas tratativas fiscais que ocorreriam em fluxos naturais com clientes.

Essas práticas podem prejudicar o negócio, podendo criar a qualquer momento um passivo oculto, oriundo de multas e processos instaurados pelo fisco. 

Mas para o alívio dos empresários que contam com especialistas na hora de avaliar sua empresa, todo esse risco pode ser capturado no processo de valuation, além da receita ser devidamente reajustada para computar as vendas “por fora”.

Excesso de retiradas de dinheiro pelos sócios

O excesso de retiradas de dinheiro (lucros) por parte dos sócios é uma das práticas mais comuns em empresas familiares. Como já falamos por aqui, em empresas com esse perfil, essa prática é aparentemente mais flexível do que em empresas cujos sócios não têm qualquer vínculo parental.

Ainda, em uma eventual avaliação, é importante avaliar os salários dos membros da empresa: será que não estão muito acima daqueles praticados no mercado?

Caso outra entidade tenha interesse na empresa (processo de fusão ou aquisição), o avaliador deverá realizar ajustes levando em consideração que na realidade a empresa é muito mais lucrativa, só não apresenta um resultado melhor pois a família retira dinheiro/lucro em excesso, às vezes não deixando nenhum capital para os reinvestimentos necessários para fomentar o crescimento do negócio.

É importante, então, não confundir o dinheiro do sócio com o da empresa. E essa confusão, se não evitada ou corrigida, poderá impactar no seu valor de mercado caso não haja o devido ajuste.

Key Person: o sucesso da empresa nas mãos de uma pessoa

Um termo muito importante para ser considerado quando falamos em empreendedorismo familiar é “Key Person”, ou pessoa chave. Esse conceito explica, basicamente, que o sucesso de uma empresa ou a maior parte do seu faturamento geralmente depende de uma única pessoa. Seja o(a) proprietário(a) ou diretor(a).

Essa única pessoa atua numa área altamente estratégica e que, por isso, exige conhecimento e experiência. No entanto, ela poderá realizar outras atividades e administrar outras áreas além daquela mais importante. E, sobretudo, a pessoa chave tem um papel fundamental no relacionamento com os clientes, é a pessoa com vínculo mais forte com esse público.

Sob o ponto de vista da avaliação, o impacto dessas pessoas-chaves pode ser refletido por meio de um desconto no valor global das ações da empresa, um desconto no lucro líquido sustentável / fluxos de caixa líquidos ou um ajuste de múltiplos.

Além desses pontos, o impacto financeiro da Key Person em uma empresa familiar vai depender da habilidade e o tempo necessários para encontrar outro indivíduo que possa eventualmente assumir as responsabilidades do indivíduo-chave e a compensação paga ao indivíduo chave em comparação com a compensação que teria de ser paga para uma substituição.

Desde 1970, muitos estudos apontam que o desconto para uma pessoa-chave tem diminuído constantemente. Uma das possíveis razões para essa diminuição é que no empreendedorismo familiar as empresas aumentaram suas capacidades de gerenciamento.

Quais resultados minha empresa terá ao ser avaliada?

Como já vimos neste artigo, avaliar uma empresa familiar é uma oportunidade para diagnosticar a saúde financeira da empresa e verificar o seu potencial de venda (ou compra).

E o resultado obtido com o processo de avaliação é o acesso a um laudo técnico, em que constará o valor da empresa, sempre muito bem fundamentado, assinado por um especialista na área e que é utilizado como peça central em negociações.

Por isso, é muito importante entender que realizar a avaliação de uma empresa ou marca não se trata apenas de documentar determinadas informações, mas sim, trata-se de garantir uma ferramenta a serviço das negociações e que apresenta de forma imparcial aos interessados o valor real da empresa, evitando dessa forma a subestimação por parte do mercado ou a superestimação do negócio por parte dos proprietários.

Entenda como funciona a avaliação de uma marca. Clique aqui!

Como avaliar uma empresa familiar: o Método do Fluxo de Caixa Descontado

Para saber como avaliar uma empresa familiar é importante saber que essa avaliação trata-se de um processo. Portanto, há meios efetivos para se chegar em um valor, através de diversos  métodos.

Fluxo de Caixa Descontado
Fluxo de Caixa Descontado : o método de valuation mais utilizado no Brasil e no mundo para avaliar empresas familiares.

O Método do Fluxo de Caixa Descontado, que consiste em mostrar o valor do fluxo de caixa futuro de uma empresa, descontado de acordo com o risco envolvido na compra da empresa.

Em outras palavras: esse método leva em consideração a rentabilidade futura da empresa e seu potencial em gerar caixa (lucro para os donos). Basicamente, quanto mais a empresa gera de lucro e se ela tem uma tendência de aumentar lucros no futuro, maior é seu valor. Mas isso não quer dizer que empresas que não geram muito lucro não possam ser avaliadas através desse método, na verdade ele captura muitos fatores importantes na hora de valorar um negócio.