Uncategorized

Como uma Startup que gera prejuízo pode valer bilhões

Startups valer bilhoes mesmo com prejuízos

Atualmente, vivemos em uma época na qual Startups são criadas diariamente com os mais diversos propósitos. São empresas que aliam um modelo de negócio moderno e inovador a uma tecnologia que tem como objetivo transformar o mundo em que vivemos e encontrar soluções melhores para os problemas da atualidade.

Assim, essas empresas apresentam uma característica comum: a alta velocidade de crescimento e valorização. Esta decorre do seu próprio modelo de negócios específico, mas não apenas. Quando falamos no valor de uma Startup, na verdade, nos referimos a um valor determinado através de um processo chamado valuation.

Valuation é, portanto, um processo que busca aferir o valor justo de determinada Startup a partir da adoção de uma das inúmeras metodologias de cálculo disponíveis. O resultado desse processo, em especial no caso das Startups, não possui uma correspondência direta com o valor que esta empresa gera de lucro ou mesmo de receita. Então, como uma Startup que ainda enfrenta prejuízos pode ser avaliada em bilhões?

Simples! As metodologias de valuation não consideram apenas dados como lucro e receita, elas enfocam principalmente na adoção de premissas e projeções, que possibilitam uma análise da probabilidade desta Startup atingir um estágio em que tenha altas margens de lucro. Basicamente o alto valor da avaliação se baseia em cima de uma expectativa de ganhos expressivos num futuro próximo.

A diferença entre Preço e Valor

Em linhas gerais, o processo de valuation busca determinar qual seria esse valor justo para a empresa avaliada. Para tanto, faz-se necessário compreender a distinção fundamental entre o que representa o valor e o preço.

Quando falamos em preço, estamos nos referindo a quantia, expressa em moeda corrente, que deve ser desembolsada por um determinado bem ou serviço. Assim, usualmente nos referimos a preço como a quantia que efetivamente pagamos e que, normalmente, será determinado pelos custos de produção, aliada a demanda e o lucro desejado pelo fabricante ou prestador de serviço.

Por outro lado, o valor é algo intangível, ou seja, que é mais difícil de ser mensurado e que está atrelado à uma ideia de satisfação e benefício que determinado produto ou serviço trará ao seu consumidor final. O conceito de valor é dotado de um aspecto subjetivo intrínseco, que irá influenciar diretamente o seu chamado valor justo de acordo com o caso concreto.

Então, como é feito o valuation?

Este processo é, normalmente, conduzido por um avaliador e pautado na adoção de uma das inúmeras metodologias de cálculo disponíveis, sendo as principais:

  1. Método dos Múltiplos de Mercado (Avaliação Relativa)
  2. Método de Liquidação de Ativos (ou Patrimonial)
  3. Método do Fluxo de Caixa Descontado (Discounted Cash Flow Method)
  4. Método do Capital de Risco (Venture Capital Method)

Cada uma destas metodologias adota um enfoque diferente sobre a empresa e terá suas vantagens e desvantagens, a depender de fatores como o objeto do negócio, tipo empresarial e, no caso das Startups, o estágio em que se encontra.

Em tese, todas essas metodologias são aplicáveis a qualquer tipo empresarial, podendo ser mais ou menos adequados. No entanto, existe uma corrente de analistas e curiosos que dizem não ser possível aplicar o Método do Fluxo de Caixa Descontado no caso de valuations de Startups.

Na verdade, este método não apenas é possível ser aplicado ao mercado de Startups, como também é extremamente valioso na determinação do valor intrínseco deste negócio. A única ressalva que deve ser feita é de que ele apenas será aplicável quando a empresa já possua um fluxo de caixa, ou esteja muito perto de possuir, e que existam os meios de calcular a taxa de desconto necessária.

A relação entre o valuation e os conceitos de preço e valor

Dentro de uma ótica de mercado, o preço será o resultado obtido a partir de um valuation que adota métodos como o de múltiplos. Nesse caso, o que se considera na avaliação da empresa são os preços de empresas concorrentes sendo negociadas no mercado. Isto faz com que o resultado desta avaliação seja um reflexo direto do que o mercado estaria, em tese, disposto a pagar por aquela empresa.

No entanto, essa metodologia ignora aspectos essenciais a Startups, como seus ativos intangíveis e seu potencial de crescimento, na medida em que apenas faz uma comparação com outras empresas similares, desconsiderando eventuais disparidades em desempenho e potencial.

Por outro lado, metodologias de valuation como do Fluxo de Caixa Descontado consideram todos os detalhes que caracterizam a empresa avaliada. O que temos, então, é um resultado abrangente e profundo, que retrata o valor real e potencial deste negócio. No caso de uma Startup, que possui um dia a dia dinâmico por natureza e está em constante crescimento, esta abordagem é a mais adequada na medida em que considera todas as suas nuances.

Exatamente por isso Aswath Damodaran, um dos grandes nomes no ramo de valuation, já dizia que a diferença entre preço e valor é que um trader se preocupa com preço enquanto o investidor se preocupa com valor.

Então como podem valer tanto, mesmo sem possuir uma receita?

Na trajetória de crescimento de uma startup, existe um período inicial, que pode durar alguns anos, onde esta empresa requer altos investimentos para se manter viva no mercado. Assim, durante seus primeiros anos, é bem provável que os fundadores estejam injetando dinheiro próprio ou de terceiros por meio de rodadas de investimento.

Após algum tempo, esta startup já terá um MVP (minimum viable product) lançado e começará a montar sua base de usuários e, então, sairá do zero de faturamento. Ainda que já exista uma receita, para que essa startup continue seu ritmo de crescimento será necessária um grande fluxo de investimentos em pesquisa, desenvolvimento e aperfeiçoamento do produto ou serviço.

Assim, ao longo de muitos anos, é comum ver startups atingindo valores de mercado cada vez mais altos e apresentando prejuízos anuais. Esses prejuízos, na realidade, decorrem deste reinvestimento.

Para ilustrar, suponha que, em um ano, a empresa tenha um faturamento de $100 milhões, com um custo de $80 milhões, seu lucro, neste caso seria a diferença de $20 milhões. No entanto, há um reinvestimento de $40 milhões em pesquisas de aprimoramento e inovação. Nesse cenário, em uma interpretação muito superficial, alguém poderia interpretar este prejuízo de $20mi como um fator negativo, quando não é.

O que é considerado em um valuation neste caso é o seu potencial de crescimento e valorização graças ao investimento constante sendo feito. Em suma, o fundamento do seu alto valor está baseado na expectativa de ganhos, no futuro, em função deste alto risco.

Os grandes Unicórnios da atualidade

O termo “Unicórnio” foi dado por Aileen Lee, em seu artigo de 2013, onde se propôs a fazer uma análise das Startups avaliadas em mais de $1 bilhão de dólares até então. O termo ficou e, hoje, é amplamente utilizado para se referir a este seleto grupo de empresas, que atualmente totaliza cerca de 300 companhias.

No Brasil, existem atualmente 3 unicórnios e algumas Startups estão muito próximas de integrar este pequeno conjunto. Em 2018, duas empresas brasileiras foram as primeiras a atingir este feito: a 99 (aplicativo de transporte urbano) e o PagSeguro (plataforma de pagamentos). Recentemente, o Nubank, um banco 100% digital, ganhou este mesmo status após uma rodada de investimentos no final de 2018.

Com um mercado otimista e a Bolsa de Valores de São Paulo ultrapassando o recorde histórico de 100 mil pontos, especialistas indicam que existem mais 7 startups brasileiras que exibem um grande potencial de crescimento, podendo passar desta marca de 1 bilhão. São startups que atuam em diversos ramos como transporte urbano, marketing digital, finanças, logística.

É interessante acompanhar a trajetória dessas empresas para perceber que essa marca é resultado da construção de uma história onde contribuem diversos fatores. O sucesso não é resultado apenas de uma boa ideia e você pode buscar alguns facilitadores para ter ao seu lado nessa caminhada, como um mentor, por exemplo.

Mentores: o diferencial que você precisa!

Um mentor pode ser um grande diferencial entre o sucesso e o fracasso da sua Startup. Talvez esta afirmação possa parecer exagerada, mas se observarmos os grandes empreendedores da atualidade, todos eles enfatizam a importância de uma mentoria ao longo desta jornada.

O caminho até o sucesso não segue uma fórmula pré-definida e, certamente, será cheio de percalços e imprevistos. Nesse momento, um profissional experiente pode ser o que você precisa para seguir em frente e não abandonar seu projeto.

A falta de alguém que compre a sua ideia e acredite no que você está tentando construir é um dos grandes fatores que levam muitos bons projetos a serem descartados antes mesmo de saírem do papel. Não é fácil manter a confiança em algo quando se é o único empenhado em fazê-lo dar certo, mas é fundamental para o seu desenvolvimento.

Como já mostramos, a criação de uma Startup requer anos de investimento, com alta dedicação de tempo e recursos, até que você possa colher os frutos daquele trabalho. Portanto, é fundamental manter-se confiante e focado no seu objetivo. É neste aspecto que um mentor fará toda a diferença e podemos apontar como:

  • Evitando atalhos:

Um profissional com experiência de mercado irá te ajudar a encontrar os atalhos que você precisa para evitar os erros que os novatos costumam cometer. O dia a dia de um negócio é marcado por diversos contratempos, nos quais muitos podem e devem ser evitados. Um mentor poderá oferecer essa orientação em tempo real, encurtando seu caminho na medida do possível.

  • Oferecendo um novo olhar:

São pessoas que estão acompanhando nossa caminhada de fora e podem apresentar um olhar desinteressado e imparcial. Quando estamos dentro de um conflito ou queremos que algo dê certo, muitas vezes ficamos cegos e perdemos a capacidade de ver um problema sob outros pontos de vista. Um mentor será essa pessoa capaz de ver o que você não consegue e, principalmente, será sempre honesto com suas opiniões já que ele sabe que ouvir as críticas certas pode ser algo precioso. Uma crítica construtiva representa a chave para corrigir os erros antes que seja tarde demais.

  • Oferecendo motivação:

A confiança que recebemos ao ver que alguém experiente acredita naquilo que estamos construindo é um dos maiores motivadores que podemos receber. Com um mentor ao nosso lado, somos constantemente questionados e levados a encontrar novas soluções para problemas que, muitas vezes, nem sabíamos que existiam.

  • Encurtando distâncias:

Não importa em qual ramo do mercado você esteja atuando, você nunca estará atuando sozinho. Por isso, fazer contatos com outras empresas do mesmo ramo, que podem gerar novas parcerias e investimentos, é essencial! Se você não tem essa facilidade, um mentor pode abrir as portas para que você tenha acesso à eventos, negócios e investidores que você não teria acesso de outra forma.

A experiência dos nossos mentores nos inspiram a seguir em frente, seja por suas conquistas ou pelo seu apoio, e tudo isso, sem querer nada em troca. Afinal, não existe retorno melhor para um mentor que ver que o seu projeto está deslanchando. Assim, se você ainda está caminhando sozinho, experimente buscar ajuda. Certamente você estará aumentando suas chances de sucesso, mas principalmente, estará otimizando seu trabalho ao investir melhor o seu tempo e seu dinheiro nos problemas que realmente devem ser enfrentados, evitando aqueles bobos, que podem ser evitados.